segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Equipinha LP0180

A semana passada ligaram de uma revista da Lloyds, lá para a farmácia, para fazerem uma pequena reportagem. Aparentemente, queriam-nos dar um destaque porque mesmo com o número de itens que dispensamos por mês e com a quantidade de dossette boxes que preparamos por semana, já tínhamos atingido o target anual - o ano fiscal aqui vai de Abril a Março (povo estranho, este!) - de MURs (grande ganha-pão barra esquema-manhoso das farmácias do UK).

Não vale a pena embandeirar em arco porque não foi nada de especial, como me encarreguei de lhes dizer. Só foi possível atingir tão cedo o target porque tive vários dias um outro farmacêutico a trabalhar comigo somente para fazer MURs. Mas, seja como for, lá lhes mandei uns bitaites sobre o que fazíamos, como seleccionávamos os pacientes e sobre os benefícios do serviço (e se eu minto bem...).

Depois, o gajo da revista pediu-me que lhe enviasse uma foto da equipa e daí resulta a coisa esperta que acompanha este post. Senão vejamos: em primeiro lugar, tirando "o surdo" que lá trabalha das 8h30m às 19h00m, o resto da equipa só trabalha algumas horas do dia, logo era quase impossível reunir toda a gente. Depois, tentar arranjar 45 segundos em que todos parem o que estão a fazer parece fácil mas naquela farmácia é uma tarefa hercúlea (Perinha: hercúlea quer dizer difícil). A juntar a isto, daqueles que ainda se conseguiram juntar, houve duas a fazer birra, a dizer que não queriam aparecer na foto e que se acabaram por esconder atrás de mim. E por fim, penso que o meu cabelo também merece uma nota de destaque pela bela figurinha que faz.

Ainda assim, e mesmo com todas as condicionantes, aí fica o que se arranja da equipinha da LP 0180.

 Da esquerda para a direita: Kat, Jean, Zé Carlos, Michelle, Jen, June, 1/2 Sandy e Jodie
Faltam: Nicky e Sharon (escondidas atrás de mim), Jammie, Tracey, Kirsty, Abbie, Justine e Maxime.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

A inspecção



Dia duro na 0180. Como se não bastassem os mais de 600 itens dispensados sem double-cover e os habituais 39283 problemas diários, hoje ainda levei com a Inspectora de Procedimentos do GPhC (entidade reguladora da actividade farmacêutica cá do sítio). Em poucas palavras posso dizer que levei uma duras.

Basicamente, o que se passou foi que umas semanas antes de eu começar nesta farmácia a mesma inspectora tinha lá estado, encontrou muita coisa que não gostou e fez um relatório sobre o que tinha de ser mudado. O problema foi que o relatório nunca me chegou às mãos! Conclusão: ela chegou lá hoje e algumas das coisas que tinha exigido que fossem mudadas não tinham sido.

E estamos a falar de uma mulher que, pelo que mostrou naquela horinha que lá esteve, conhece o "Medicines, Ethics and Practise" e as "Standard Operating Procedures" da Lloyds da primeira à última página. E exige que não se faça menos do que tudo o que vem escrito nestes meninos.

Felizmente, e segundo as minhas colegas, ela engraçou comigo e deu-nos a benesse de não reportar nada hoje com a promessa de voltar daqui a três semanas (eram duas, mas eu daqui a duas estou de férias).

Quer isto dizer que já tenho "entretém" para os próximos tempos...

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Santo fim-de-semana...


...que começa à quinta à noite e só acaba terça de manhã.

Vou a caminho!

domingo, 16 de janeiro de 2011

Aquele "je ne sait quoi" português



Dias normais estes últimos... Tirando um cineminha aqui e ali ou uma ou outra história que nem vale os caracteres.

Ontem, por exemplo, fomos jantar fora aqui na cidade. Tivémos que aguardar por mesa porque nunca marcamos nada e aqui, em especial ao sábado à noite, todos os restaurantes estão cheios de reservas. Quando a empregada nos veio chamar, virei-me para a Vanessa e disse-lhe: "Esta senhora é portuguesa". "Mas é portuguesa porquê?" - perguntou ela. "Opá, não sei porquê... Mas esta senhora é portuguesa." - disse eu.  "Oh... és maluco". " 'Tou-te a dizer. Vais ver..." E virei-me para a senhora e perguntei: "Olhe... desculpe lá... a senhora é de onde?". "Portugal" - disse a empregada.

Não sei bem explicar como é que vi mas sabia que aquela mulher não era inglesa. Os ingleses topam-se... E aquela mulher tinha um je ne sait quoi tuga. Foi-se a ver era  ribatejana, veio para Inglaterra há em 2006, sozinha, para procurar emprego e tinha chegado a Gloucester há duas semanas.

Noutro campo completamente diferente, o entusiasmo com a Star Chef ainda não passou. Ainda hoje sabia que a Vanessa ia estar a trabalhar, então quando saí para a Sunday League deixei um peito de frango a descongelar. Cheguei, temperei o frango, juntei umas cebolas e molho de tomate, programei a máquina para carne e saí para fazer as últimas compras para as férias de Fevereiro. Cheguei quando o programa estava a acabar, lavei a cuba, fiz um arrozinho de passas e, no andar de cima, pus uns brócolos a cozer com o vapor do arroz... Opá... foi um almoço do caneco!

Agora espera-me uma longa semana de quatro dias (estou feito um burguês... quatro dias seguidos já não é para mim!) para depois iniciar a jornada que me levará 6a feira até Coimbra.

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Aquela máquina

Já há primeiras impressões sobre a máquina.

Más notícias: o elemento humano continua presente. Não dá para, simplesmente, mandar lá para dentro os ingredientes inteiros, carregar nos botões e esperar que aquilo resulte num prato. Infelizmente, continuamos a ter de picar a cebola, o alho e os vegetais. E convém de ver em quando dar uma olhadela e virar a comida.

Alegrias: o trabalho que se tem é muito menor e depois de iniciado o processo, a máquina trata de quase tudo. Suja-se menos louça. A variedade de comidas que agora preparamos é muito maior: ontem, por exemplo, fiz o primeiro guisado da minha vida e hoje estamos a assar lombo!

Mas a grande, grande vantagem da máquina parece-me ser a qualidade com que a comida sai. Eu cozinho (quer dizer... desenrasco-me de modo a não passar fome) há quase quatro anos e juro que ontem fiz o meu melhor arrroz de sempre. Aquilo estava tão bom e tão solto que eu, imitando um amigo que vive actualmente no Algarve, jantei arroz... com arroz.

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

A cozinheira

Já chegou. Opá... já chegou! É a máquina que (nas palavras da Vanessa) vai revolucionar a nossa vida. Se 2010 foi "O ano da máquina de lavar louça", 2011 parece que será "O ano da máquina que cozinha sozinha e consegue refogar e guisar a carne, ao mesmo tempo que coze os legumes, o arroz ou a massa e que é um espectáculo e tudo e tudo e tudo".

Basicamente, foi com esta lenga-lenga que a Vanessa me convenceu a investir com ela numa espécie de Bimby-dos-pobres chamada Star Chef Deluxe. Ao que parece a sacana da máquina faz tudo sozinha: um gajo mete para lá os ingredientes, carrega numas teclas, diz a que horas quer ter o jantar  pronto e... voilá: sopa de legumes, arroz de marisco e pudim flan. Há-de ser há-de...

Mas também, por £40 a cada um, vale a pena arriscar.

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Sim, também trabalho

Início de ano é tempo de definição de metas na Lloyds. Hoje, então, lá esteve na farmácia o "Estado-Maior" quase todo: a Cluster Leader (que é a minha superior hierárquica directa) e o Operations Manager para falarmos um bocado sobre o orçamento de 2011, os objectivos do ano e os números a atingir; e, mais tarde, o Area Manager (que é o máximo da hierarquia com que eu contacto) e o seu superior (que é um gajo que tem um trabalho tão acima do meu, que eu já nem sei o nome) apenas para verem o funcionamento da farmácia, falarem um bocado comigo e darem aquela palmadinha nas costas.
a
O que é que quer, então, a empresa? Opá, quer o mesmo que toda a gente: quer ganhar mais, investindo menos! Quer que se produza ainda mais mas também quer gastar menos com pessoal; quer ter mais serviços mas não quer aumentar o espaço da farmácia; quer que se tenha tudo a toda a hora mas quer reduzir os stocks; quer que os utentes esperem menos mas quer que eu tenha tempo para ensinar mais coisas ao staff.

E eu fui daquela honestidade habitual com a Cluster Leader: "Sabes (é o bom do inglês: não há "tu" nem "você", só há "you") quem é a única pessoa do mundo que promete resultados antes dos campeonatos? José Mourinho... Mas ele é o Special One. Eu sou só um Ordinary One. Promessas? Só prometo que das 8h30m às 19h00m, quatro dias por semana, dou 100%." É que só visto... Há ali números que só se atingem se eu for para a rua de metralhadora obrigar as pessoas a comprar coisas na farmácia. E outros que nem de metralhadora... Só se atingem se as pessoas com que trabalho arranjarem mais dois bracinhos cada porque não será fácil esta equipa fazer mais do que já faz.

sábado, 1 de janeiro de 2011

Da passagem de ano

A passagem de ano também foi gira. Fica aqui o registo.

Como tinha apenas alguns segundos de vídeo - mal e porcamente gravados com um telemóvel da década passada - acabei por usar uma artimanha cinematográfica, tecnicamente conhecida como "Encher chouriços", para ficar com mais algum tempo de fita. Quem tiver paciência para ver tudo, há-se reparar que eu ainda apareço alguns segundos...

video